19 de abr de 2013

{FIC} The Love Beteween good and evil


Capitulo 38

Eu ouvira a historia de Isabela atentamente, via no rosto de Arthur dor e tristeza,ele meio que cuspia a palavra ”Isabela” relutantemente,eu imaginava quanto tempo ele demorou para esquece-lá,e que esse tempo todo foi gasto quando eu perguntei sobre ela.

–Eu… Sinto muito, não imaginava o quanto dolorosos é para você, me desculpe,não queria fazê lo sofrer. -Disse triste.

–Espero que esteja feliz agora, espero que suas duvidas tenham sido solucionadas. -Ele disse com uma voz áspera.

Ele não olhava para mim,seus olhos estavam fixos no mar.

–Onde acha que ela esta agora?-Perguntei sentando-me na pedra novamente.

–Em um lugar melhor,espero...-Ele respondeu olhando para o céu.

–Eu te lembro ela?-Perguntei de cabeça baixa.

–Em algumas coisas,seu jeito de sorrir,sua inocência,seus hábitos estranhos de se fixar nos próprios pensamentos e esquecer o mundo…-Ele sorriu tristemente.

Me aproximei de Arthur e o abracei,me sentia uma idiota,não se deve forçar uma pessoa a se lembrar de seu passado doloroso
Como o dele.

–Eu realmente sinto muito.-Disse com a cabeça enterrada em seu peito e lhe dei um beijo em seu pescoço.

–Não sinta,não quero que fique triste por minha causa. -Ele acariciou minha cabeça.

- Eu te amo.- olhei pra ele- O seu sorriso é razão do meu sorriso. Sua tristeza faz com que meu coracao fique em pedaços. Entao nao peca algo que nao posso cumprir, porque quando a gente ama tudo o que o outro sente a outra pessoa tambem sente...

ele sorriu

- Incrível como voce consegue me fazer sorrir uma hora dessas... Eu te amo, muito...- ele pegou meu queixo com cuidado e me beijou calmamente. Sua mao foi para meu pescoço aprofundando o beijo. Nos finalizamos com selinhos.

eu tinha uma pergunta que estava me corroendo pra perguntar. So estava com medo de tocar no assunto de novo.

– Ér...você dormiu com ela?-Perguntei com ciúme estampado na cara!

–Por que quer saber isso? -Ele sorriu malicioso, com certeza sabia que eu estava enciumada.

– Ér… So pra saber mesmo.. -Dei de ombros meio confusa.

–Não, não cheguei a este ponto. -Ele abaixou os olhos e encarou a areia.

Por algum motivo eu ficara aliviada ao ouvir aquilo dele. Ele me encarou nos olhos,eu sentei em seu colo,de frente para ele,seus braços enlaçaram minha cintura,puxando-me para mais perto,o beijei carinhosamente,depois nossos beijos foram ficando mais quentes,enquanto seus braços apertavam mais minha cintura,foi um beijo molhado e demorado,seus lábios doces e macios eram tóxicos para mim,tão irresistíveis… Enquanto nos beijávamos Arthur segurava meu rosto com uma mão,seu toque quente fez com que minha pele se arrepiasse. Quando nossos lábios se separaram eu ainda fazia biquinho,ele sorriu e me deu um selinho.

–Esse foi o melhor beijo… -Disse ofegante.

Ele abriu um lindo sorriso torto.

–Não sei o porquê,mas quando estou triste beijo melhor... -Ele disse com uma careta fofa.

–Então faça o seguinte? quando estiver triste me chame? Por favor! -Sorri maliciosamente.

Ele sorriu malicioso.

Quando dei por mim já estava escuro,a lua parecia bem maior daquele ponto,seu reflexos prateado estavam nas ondinhas do mar,pequenas ondas que se quebravam na areia com um som confortante. Eu estava abraçada com Arthur,aconcheguei minha cabeça em seu peito e fechei os olhos,o único som que ouvia era o do vento e o das ondas,tudo tão calmo,tão tranquilo,era do que eu realmente precisava,um tempo para pensar. De repente minha barriga roncou, isso o fez rir, minha bochechas ficaram vermelhas de vergonha. Pra variar ne? Agora que tu vem roncar é?! Bixa ingrata!

–Esta com fome?-Ele perguntou sorrindo e ainda rindo um pouco

–Acho que esse barulho me denunciou. -Sorri timidamente.

–O que gostaria de comer?-Ele perguntou.

–Posso pedir qualquer coisa?-Perguntei como uma criança indo ao McDonald.

–Sim,o que quiser. -Sorriu.

–Uhhh… Deixe-me ver…-Parei para pensar.

Ele brincava com meus cachos loiros, o enrolando em seu dedo.

–Eu gostaria de comer… Batata-frita. -Dei uma risadinha.

Ele fez um movimento com a mão e fez surgir do nada um grande pacote de batata-frita.

–Aqui esta. -Ele me entregou sorrindo.

–Obrigada. Adoro ter uma namorado assim... Tudo o que eu quero ele me faz aparecer! -Disse louca para comer e rindo um pouco da minha ultima frase.

ele riu da minha observação

Era uma delicia, a melhor que já tinha comido.

–Isso é bom? - Arthur perguntou com uma careta fofa. Devia tar como uma desvaiada comendo pra ele me perguntar isso!

–É uma delicia. -Sorri mordicando mas uma batata.

–Você é que é uma delicia. -Ele sorriu me dando um selinho. Mentirosoooo...

Minhas bochechas coraram de vergonha,quando nossos lábios se separaram Arthur passou a língua no canto da boca e sorriu. Ai essa lambidinha fez todos os corpos do meu corpo se arrepiassem.

–Tem um gosto salgado. - lambeu mais um pouco.

–Por que não prova? -Lhe ofereci uma batata.

–Se for tão bom quanto maçã, não obrigado. -Ele disse com sarcasmo. Sempre.

–Vamos lá,você vai ver que é uma delicia. -Sorri o encorajando

Ele suspirou e deixou que eu colocasse a batata-frita em sua boca.

–Não é bom?- perguntei sorrindo.

Ele mastigou lentamente,apreciando o sabor.

–É diferente.

–Diferente bom,ou diferente ruim?-Ergui as sobrancelhas.

–Diferente bom.-Ele respondeu com um sorriso torto.

Ele acabou se acostumando com o gosto,comemos juntos.

–Como você me descreve?-Ele perguntou amaçando o pacote vazio.

–Como,características físicas ou emocionais?-Perguntei aconchegando a cabeça em seu peito.

–Como preferir. -Ele sorriu.

–Bem… Eu sei que quando você esta triste beija melhor, fica com raiva quando falam de seu passado, gosta de fuzilar as pessoas com os olhos, é sensível por dentro e rígido por fora, você abaixa os olhos quando esta com vergonha, ah, quando esta exitado você morde o lábio inferior e Você é muito gostoso. - soltei um risinho. E sorri maliciosa.

–Eu sou gostoso?- Ele perguntou rindo.

–Muito. -Disse passando a mão pelo seu peito rígido e mordendo o lábio inferior.

–Bom saber…-Ele disse sarcástico.

Ele sorriu e acariciou meus cabelos

–Luh….-Arthur chamou.

–Sim? -Respondi o encarando.

Arthur abaixou o olhar e deu um sorriso tímido. Esta com vergonha.

–Você… você,nota quando estou,quando estou exitado?- Ele perguntou tímido ainda olhando para baixo. Que bonitinho!!! Ta tão fofo meu deuso! Ta bom parei! Soltei um riso pela pergunta.

–Noto sim. É bem facil saber isso..-Sorri e ri um pouco mais pelo seu constrangimento.

–É tão evidente assim? -Ele perguntou envergonhado mais ainda.

–É muito! -Respondi balançando a cabeça positivamente e rindo fraco.

Ele sorriu e abaixou a cabeça de novo.

–Esta com vergonha ainda?-Perguntei rindo.

–Eu acho que sim. -Ele disse olhando para o lado.

Eu coloquei a mão em sua bochecha e fiz seu rosto se endireitar,eu o encarava nos olhos,ele estava meio tímido. Quis trair mas me segurei. So soltei um risinho e ele me olhou feio. Parei na hora de querer rir.

–Eu gosto quando você esta exitado.-Disse dando um malicioso sorriso.

Ele sorriu malicioso e acariciou minha bochecha,seus lábios se encostaram lentamente nos meus,formando um beijo apaixonado,quando nossos lábios se separaram eu notei que ele mordia o lábio inferior,eu gargalhei na hora!

–O que foi?-Perguntou confuso.

–Você fez.-Apontei para seu rosto ainda rindo.

–O que?-Perguntou ingênuo. Que bonitinho! Ainda nao sacou do que eu estava falando!

–Mordeu o lábio inferior.-Ri mais ainda.

–Que droga,tenho que parar de fazer isso! -Disse ele virando a cabeça de lado. Meio que irritado e tímido ao mesmo tempo.

Beijei sua bochecha e sorri.

–Vem,vamos andar.-Disse o puxando pela mão.

Andávamos pela a areia,tudo tão romântico e bonito…

–Já fez aulas de francês?-Perguntei me lembrando da época em que fazia.

–Já aprendi quase todos os idiomas.-Ele respondeu convencido.

–Mentira.-Disse desconfiada.

–É verdade,pode perguntar qualquer coisa.-Ele ergueu as sobrancelhas.

–Uhhh… Como se diz eu te amo em francês?-Sorri.

–Je t´aime.-Ele pronunciou perfeitamente.

Arthur falando em francês era muito fofo,ele fazia biquinho para pronunciar as frases.

–Diga algo em… Em Sueco. -Disse animada.

–Du har ett vackert leende.-Ele disse acariciando minha bochecha.

–O que disse?-Perguntei confusa.

–Eu disse que você tem um lindo sorriso.-Respondeu com uma voz aveludada e romântica.

eu fiquei encantada.

–Como pode saber tantos idiomas assim?

–Fui muito bem educado, não tem nada que ”eles” não tenham me ensinado.- Arthur encarou o céu estrelado.

–Acho que sei falar alguma coisa em francês, já fiz aulas.-Disse tentando me lembrar de algo.

–Então diga,quero ouvi lá.-Ele sorriu.

–Uhhh… Vous aimez (te amo).-Disse fazendo um biquinho para pronunciar.

Ele sorriu com os olhinhos brilhando pra mim.

–Vous aime trop.-Ele respondeu sorrindo.

–Isso quer dizer também te amo?-Perguntei para confirmar.

–Isso mesmo.-Ele me lançou um sorriso torto.

Eu o parei e o beijei,aquela conversa toda havia me deixado meio exitada,ele segurou minha cintura com as duas mãos e retribuiu o beijo,só que agora mais quente e exitante,sua língua invadia minha boca com luxuria,depois senti seus lábio quentes rosarem meu pescoço carinhosamente,meu corpo todo ficou arrepiado.

–Diga mais alguma coisa em francês.-Pedi de olhos fechados.

–Je t’aime sans vêtements.-Ele sussurrou sedutoramente em meu ouvido fazendo-me estremecer.

Abri os olhos lentamente,e o encarei, Arthur estava com cara de safado,mordia o lábio inferior.

–O que isso quer dizer?-Perguntei desconfiada. Pela sua feição nao era nada romântico e sim malicioso! Ai tem!

Ele sorriu malicioso e voltou a andar,me deixando para traz.

–Ei!-Chamei.

Ele olhou para traz ainda com um sorrisinho safado.

–O que você disse?-Perguntei novamente.

Ele apenas balançou a cabeça negativamente, dizendo que não diria.

–Fala logo. -Insisti lhe dando um tapinha do braço.

–Não vou falar.-Sorriu.

–Mas eu quero saber…-Resmunguei.

–Vai ficar querendo.-Ele sorriu sarcasticamente.

–Vou insistir até você falar.-Disse.

–Não vai funcionar.-Ele balançou a cabeça negativamente.

–Fala,fala,fala…-O cutucava.

–Au revoir (tchau).-Ele disse correndo.

–Pode voltando! Chato! - Gritei ficando para traz e resmungando. Porra ele sabe que eu sou curiosa!

-

Je t’aime sans vêtements : Eu te amo sem roupa

Créditos: Cecília 



6 comentários: